Linguagem Corporal na Moda ( Body Language - Fashion)


Nas minhas andanças por Dança dialogando com Moda...algumas referências.

Não basta trabalhar com o CORPO como instrumento, mas há que se ter consciência dele, de como extrair seu melhor, de como emocionar e tocar o outro com as imagens que ele desenha no espaço. Criar um discurso próprio, comunicar.



Mariacarla Boscono



Dovima. Foto: Richard Avedon


Paola Orleans e Bragança. Foto: Renam Christofoletti


Mariacarla Boscono. Foto: Mert & Marcus




Mariacarla Boscono





Foto: Peter Lindberg



Carol Trentini


Gisele Bundchen


Mariacarla Boscono. Foto: Txema Yeste




Analeigh Tipton


Editorial usando a Dança como inspiração.

Parte do Editorial " Call to the bar" feito para a revista " How to spend it", dezembro de 2013.
Fotógrafo ANDREW YEE, que tem um olhar super artístico e poético para fotografar, na minha opinião.
stylist: Damian Foxe 
hair: Shlomi Mor
make-up: Robert Greene
modelos: alexa yudina, ana buljević, anastasia ivanova,
anne-sofie list, ilva heitmann, maria borges,
regina krilow, stephanie hall,
vasilisa pavlova, veranika antsipava



Performance e Fotografia: Entrelaçamentos

Seguindo atrás de pontos de contato entre Dança, Moda, Performance, Arte, Fotografia e Video,
"descubro" a já super reconhecida artista contemporânea,CINDY SHERMAN.

Esta americana, fotógrafa de si mesma, inventa mulheres, corpos, imagens e personagens que despertam inúmeras leituras e provocações.











Responde não somente pela fotografia, mas pela produção de maquiagem, figurino, cenografia e tudo o que envolve o conceito e a imagem de seus trabalhos.











Senti um forte grau de parentesco com a minha MULHER-CEBOLA, guardadas as proporções de genialidade da colega acima.
Nada como mergulhar na história antiga ou recente atrás de boas referências para burilar, flanar, instigar, inspirar.

Dani Calicchio

Pequenas Histórias da MULHER-CEBOLA / Quero Ser Revista

Pela aceitação prazerosa daquilo que somos, pela escuta do próprio corpo e pela comunhão com ele, para além das ‘verdades absolutas’ da mídia e de seus modelos inatingíveis de corpos e de comportamento.

Concepção e Performance - Dani Calicchio
Música - Felipe Senna
Captação e Edição de Imagens - Kassius Trindade
Produzido por Consumo Cultural


Pequenas Histórias da MULHER-CEBOLA / No Topo


Ela tem na cabeça que ter perucas é bom.
Bom porque gosta de cabelos.
Porque gosta de mudanças.
Porque gosta do belo ou do esdrúxulo.
Porque gosta de relembrar em seu próprio corpo a força de um remoto feminino instintivo.
Sempre planejou ter seus verdadeiros cabelos minguados até a bunda, mas numa vida inteira nunca conseguiu.
Ah, Mulher-Cebola, quantos eus!

Concepção e Performance - Dani Calicchio
Música - Laura Lobo
Captação e Edição de Imagens - Kassius Trindade
Perucas - Wellinton Fontinelle
Produzido por Consumo Cultural




Apaixonada pelas imagens da Dança Contemporânea de ISRAEL


CIA IRIS EREZ ( iriserez.com)


KIBBUTZ CONTEMPORARY DANCE COMPANY ( kcdc.co.il)



Na vida comunitária e religiosa do povo judeu, desde os tempos bíblicos, a dança sempre foi considerada uma expressão de alegria. Actualmente, esta é parte integrante das celebrações religiosas, nacionais, comunitárias ou familiares. A dança contemporânea desenvolveu-se em duas direcções: a expansão do género folclórico, que acompanhou os primeiros colonizadores na reconstrução de sua velha pátria; e o estabelecimento da dança artística, com produções criadas por coreógrafos profissionais e interpretadas por dançarinos muito bem preparados.

A dança artística foi introduzida no país na década de 20, por professores e amantes da dança recém-chegados dos centros culturais da Europa. Após a criação do estado, alcançou um alto nível profissional, com diversos grupos, cada um dos quais com orientação e estilo próprio. Hoje, seis grandes companhias, na sua maioria com sede em Tel-Aviv, apresentam um repertório diversificado, tanto no país quanto no estrangeiro.

Ballet de Israel começou como um estúdio de dança clássica, fundado pelos seus directores artísticos, Berta Yampolsky e Hillel Markman. Como a única companhia profissional de ballet clássico do país, apresenta obras clássicas, neoclássicas e contemporâneas, criadas por Yampolsky, assim como ballets de Balanchine e outros coreógrafos internacionais.

Companhia de Dança Contemporânea Kibbutz (KCDC) foi fundada em 1970 por Yehudit Arnon, membro do Kibbutz Ga'aton na Galileia, perto da fronteira libanesa. Arnon transformou um grupo de jovens dançarinos amadores numa das principais companhias de dança contemporânea de Israel, com imediato reconhecimento internacional. Hoje, a KCDC é identificada com o seu director artístico e coreógrafo Rami Beer.

Companhia de Dança Batsheva, fundada em 1964 pela Baronesa Batsheva de Rothschild e por Martha Graham, inicialmente baseada nos seus métodos, mas com ênfase na prática do ballet. Mais de quarenta anos depois, a empresa é talvez a mais conhecida como a embaixadora global da cultura de Israel e emprega 65 membros, desde bailarinos a membros da equipa técnica. Actualmente, Ohad Naharin é o director artístico, e Sharon Eyal, o coreógrafo da casa.

Como muitas companhias de dança em Israel, a Batsheva tem um programa educacional e uma série de programas de extensão que visam trazer a dança para todos os sectores da sociedade israelita. Segundo a companhia, as obras de Batsheva são expressivas, dinâmicas, inovadoras, sensíveis e belas, reflectindo a energia do país.

Vertigo é um grupo de dança moderna muito bem sucedido, fundado em 1992 por dois bailarinos, Noa Wertheim e Adi Sha'al e já recebeu vários prémios internacionais pelo trabalho. Grande parte do seu repertório traz coreografias originais de Wertheim, bem como projectos de dança inovadores com outros artistas. A Escola de Dança Vertigo em Jerusalém, fundada em 1997, oferece aulas para profissionais e amadores de dança clássica, moderna e improvisação.

A coreógrafa e designer Inbal Pinto, da Companhia de Dança Inbal Pinto é uma das estrelas em ascensão da dança internacional. Ex-membro da Companhia de Dança Batsheva, recebeu vários prémios de dança desde que começou a coreografar em 1990. Juntamente com a co-directora artística, Avshalom Pollack, Inbal Pinto criou inúmeras peças de dança, tais como o trabalho mundialmente famoso, a Ostra, que tem sido mostrado centenas de vezes em Israel e no exterior.

O cenário da dança moderna no país é reforçado por uma série de pequenos grupos e coreógrafos independentes, cujas obras têm sido muito apreciada pelos amantes da dança em todo o mundo. A mais conhecida é Yasmeen Godder, que ganhou o Prémio Bessie em 2001 em Nova Iorque e inúmeros prémios em Israel. A sua linguagem de dança é baseada na forma feminina e o seu trabalho, Duas Rosas Brincalhonas, tem sido mostrado em todo o mundo. Outras estrelas em ascensão são Emanuel Gat e Renana Raz. 




Desde a sua fundação em 1989, o Centro de Dança e Teatro Suzanne Dellal , situado no recém-renovado bairro de Neve Tsedek, em Tel-Aviv, tornou-se o mais importante centro de dança do país. Também em Tel-Aviv, a Biblioteca e o Arquivo de Dança de Israel, além de serem centros de estudo e pesquisa, publicam livros sobre dança e o Anuário da Dança de Israel. Os interessados em se especializar no assunto podem estudar nos departamentos de dança das Academias Rubin de Música e Dança, em Tel-Aviv e Jerusalém, nos Estúdios Bat-Dor, na escola Talma Yellin em Tel-Aviv e em várias outras escolas e cursos por todo o país.

A contribuição israelita no campo da educação pelo movimento inclui ainda o método de Moshe Feldenkrais, ensinado por todo o mundo, e o sistema de anotação do movimento de Eshkol-Wachman, um dos três mais conhecidos sistemas de escrita de dança e movimento.

Sydney Dance Company

Cia australiana dirigida pelo espanhol Rafael Bonachela.
Adoro a estética destas imagens. Vejo dança, vejo moda, fotografia, teatro, cinema, esporte, linguagens que se cruzam se embelezando.